A ponte, que já estamos construindo há muitos séculos, jamais ficará pronta. Qual mão estendida que ninguém agarra, ela se ergue sobre os recifes escarpados da nossa fronteira, sob os quais está o abismo negro e sem fundo. Seu arco abaulado para cima desaparece em algum lugar lá fora, na névoa espessa que se alça constantemente das profundezas.Não se pode completar uma construção como essa, caso não se construa também a partir do lado oposto. E até agora nós nunca pudemos descobrir qualquer sinal de que alguém estivesse trabalhando do outro lado, num projeto como esse. É provável que as pessoas de lá ainda não tenham notado nossos esforços.

Muitos entre nós chegam a duvidar de que exista um lado oposto. Essas pessoas fundaram no decorrer dos últimos dois séculos uma Igreja originária da antiga doutrina ortodoxa, cujos membros são designados com o nome de Unilaterais.

Originalmente tratava-se de uma alcunha que os ortodoxos lhe deram. Mais tarde, porém, eles mesmos assumiram esse nome e, desde então, ostentam-no com um certo orgulho. No entanto, sua convicção não os impede de maneira alguma de participar com todas as forças na construção da ponte como prescreve nossa ética.

Por isso mesmo, eles não são mais perseguidos como acontecia em tempos antigos, senão que são vistos como tendo os mesmos direitos, ou quase todos.

As pessoas os reconhecem por uma pequena incisão vertical no lóbulo esquerdo, através da qual confessam sua unilateralidade. Em compensação, os outros, que formam a maioria ortodoxa, denominam-se os Meios. Eles não duvidam da existência de um outro lado, mas sabem que ele é inalcançável.

Embora a ponte não se alongue sobre a metade do nosso lado, existe um intenso tráfego nela. Podem-se ver ali a qualquer hora do dia ou da noite veículos, cavaleiros, pedestres, liteiras e carregadores, dirigindo-se a ambas as direções.

Hoje em dia não poderíamos existir sem relações comerciais com o outro lado, pois todos os medicamentos e uma grande parte de nossos víveres vêm de lá. Em compensação, nós lhes fornecemos jarros de barro de todos os tipos, tijolos, instrumentos de metal e barro que extraímos de nossas minas.

Para os estranhos, muitas vezes, é difícil compreender como nós aceitamos e vivemos com esse fato que lhes parece uma contradição evidente. Nossa religião nos proíbe – e nisso não existe nenhuma diferença entre os Unilaterais e os Meios – de duvidar que só existe o lado da ponte que nós mesmos construímos.

Os fanáticos e heresiarcas que apareceram vez por outra em nossa história foram levados sem muitos rodeios até o lugar onde termina a nossa ponte e obrigados a caminhar para a frente. Naturalmente eles despencaram no vazio.

Aqueles que não nasceram e cresceram em nosso país acham difícil compreender que o pressuposto para o comércio entre nós e o outro lado baseie-se justamente no fato de que temos a mais profunda convicção de que eles não existem.

Se nós abalássemos seriamente esse fundamento da nossa doutrina, então – disso estamos seguros e todos os nossos livros santos o comprovam –, imediatamente, desmoronaria a parte da ponte por nós construída e estaríamos perdidos.

Portanto, os viajantes podem tratar de frear a língua e não tentar pesquisar a fundo o segredo da nossa fé. Senão estarão correndo o risco de sofrer o mesmo destino que todos os hereges do nosso próprio povo. Neste caso, sofreriam no próprio corpo e saberiam que nossa ponta nunca foi concluída e que entre nós e o outro lado ainda existe o abismo.

No caso de um casamento – os quais, a propósito, ocorrem não com pouca freqüência – entre uma filha ou um filho do nosso país com uma filha ou um filho do outro lado, é comunicado alegremente por um ou pelo outro como não tendo existido.

A diferença em nossas confissões reside simplesmente no fato de que a fórmula dos Unilaterais diz: “Eu não vim de parte alguma, pois o lugar de minha origem não existe. Por isso não sou ninguém e, assim aceito por por esposo esposa”, enquanto a dos Meios diz: “De lá, de onde eu vim, é impossível que eu pudesse vir, por isso não estou aqui e assim aceito como esposo como esposa.

Com essa cerimônia, as pessoas recebem os plenos direito civis em nosso país e passam a valer como pessoas de verdade, com todos os direitos e obrigações de um cônjuge.

Anúncios